A Plea to Crows

Posted in Arte with tags , , on 08/24/2011 by sellath

A Plea To Crows

Advertisements

Causos da Infancia nerd – Codex Iocus

Posted in Extreme Nerd with tags on 03/30/2011 by sellath
No início da década de 90, houve uma guinada no mundo dos games com a chegada em território nacional dos clones do Nintendinho 8 bits. o Phantom System era o mais popular deles e era o que a maioria dos meus agmigos na época possuiam, já eu tinha um Bit System sabe-se lá o porque.
Com toda a turma de posse de um exemplar, criou-se uma verdadeira rivalidade, a gente se gabava por ter “zerado” (ou “fechado”) esse ou aquele game sem “continue”, sem morrer, sem usar “passa-word” como meus amigos falavam… claro, todos esses feitos ou não tinham testemunhas, ou eram comprovados com devoção por puxa-sacos ou os melhores amigos, opiniões que soam como as de uma mãe chamando o filho de lindo.
Um dos meus amigos,  o mais velho da turma, era um verdadeiro “Freak” em qualquer game que se colocava na frente dele, passava dias e noites jogando Final Fantasy, SCAT, Contra, todos os Megamen possiveis, castlevanias… enfim, o cara era um mestre, admirado e invejado pela pivetada.
Ele tinha um caderninho onde anotava os pass words e codigos, que ele mesmo descobria ou que descolava em revistas, naquela epoca, 1991 /1992, sem essa facilidade de obter informações, você pode imaginar como um bem desses era precioso. O Freak, diziam as lendas, dormia com o carderninho debaixo do travesseiro, levava pra escola, pro treino de futebol, pra natação, pro banheiro… enfim, ele nao desgrudava do dito cujo.
Eis que uma manhã de sabado (ah como os sabados eram sagrados) o Freak me chama no portão, o que era bastante inusitado, afinal, ele era uns 5 anos mais velho do que a gente e raramente nos chamava, principalmente num sabado de manhã, quando deveria estar na casa dele, desde as 6 da manhã, detonando algum game raro (e anotando os codigos nos eu caderninho sagrado). Quando sai para atender, encontrei-o visivelmente alterado, a expressão cansada, quase triste, os olhos merados… ele ja foi me perguntando “Qual foi a ultima vez que vc teve em casa?” eu rebusquei na minha memoria de nove anos de idade e respondi que tinha sido no ultimo sabado, quando fiquei esperando por duas horas pra ter a chance de jogar 3 segundos de megaman 2, ele se lembrou e falou “entao nao pode ter sido vc” perguntei o que tava acontecendo e ele respondeu que alguem tinha sumido com o caderninho de codigo dele. Meu estomago gelou, sério, aquele era um bem muito precioso, continha segredos que só os experts conheciam, diziam as lendas que possuia um codigo de invencibilidade para Battletoads!!!!
Ele subiu na Caloi 10 dele e foi embora sem se despedir. Fiquei com aquilo na cabeça, até cheguei a cogitar a possibilidade de pular o muro do terreno baldio que havia do lado da casa dele pra ver se achava alguma coisa, mas desisti, isso seria deveras suspeito.
Então, quase já no fim da tarde daquele sabado, meu melhor amigo me chama. Eu saio no portão e o vejo, meio tenso, pedindo para entrar… então ele tira debaixo da camiseta dele algo que meus olhos custaram a acreditar…o carderninho de códigos desaparecido do nosso amigo viciado… o mundo parou, era como se eu entrasse naquele bullet time do Max Paine, eu nao via mais nada, só aquele caderninho de capa brega com uma etiqueta com uma unica, e preciosa palavra escrita com uma letra caprixada: “Códigos”… olhei para o meu amigo, cujo sorriso rasgava a cara de uma orelha a outra, um orgulho que ele nao conseguia esconder…eu perguntei “como??”
Ele me disse que estava na noite anterior na casa do freak vendo ele jogar Shadow of the ninja (so vendo pq era isso que iamos fazer na casa dele, ve-lo jogar) e quando o cara saiu pra ir no banheiro, viu o dito caderninho entre as inumeras revistas de games espalhadas pelo chão… ele disse que nao planejou, nao pensou, suas mãos agiram automaticamente, pegou o caderninho, colocou debaixo da camiseta e ficou quieto, até o freak voltar… então disse que precisava ir embora”.

Agora vocês devem estar se perguntando, pq o freak, que sempre cuidara tao bem do caderninho, que nao o emprestava nem para seus dois irmãos mais novos, não desconfiou do meu melhor amigo? Pois bem, esse carinha (que nao vejo, infelizmente desde 1996) estava acima de qualquer suspeita… sabe o gente boa da turma? o que sempre ajudava, o que nos ajudava a mentir pra mãe quando faziamos cagada na rua (tipo, eu vi, dona Lourdes, foi o fulano que provocou) um altruismo que nao pede nada em troca, que só existe na infancia…
Perguntei a ele se ele já tinha foleado o Caderninho… ele disse que tava esperando a poeira baixar pra vir ver o caderno comigo.
Mais do que depressa, corremos para dentro, pegamos um caderno de escola (provavelmente o de educação artistica, que nunca era usado rs) e copiamos com a devoção de um monje transcrevendo a biblia na idade média, todos os codigos que ali haviam, até mesmo alguns cujos jogos nunca tinhamos ouvido falar, e nunca jogamos de fato.
Depois, esperamos até tarde da noite (o que pra nossa idade eram umas 21:30) e saimos de bicicleta, passamos na frente da casa do freak, uma, duas tres vezes… até termos certeza de que nao havia ninguem na varanda… na quarta vez, joguei o caderninho por cima do portão e pedalamos o mais rapido que ja tinhamos pedalado até então, chegamos em casa cansados… mas extremamente felizes…
No outro dia, o freak, depois de um jogo de futebol no campinho que ficava em frente a minha casa disse, sua expressão era de ódio: “Os FDPS jogaram o carderno em casa…passaram de bike…se eu pego eu destruo” eu e meu amigo engolimos em seco, e fizemos um pacto… nunca iriamos contar isso pra ninguém!
Daquele dia em diante, o Freak passou a ter dois rivais a sua altura… ele chegou a dizer depois de uma jogatina que eu e o meu amigo tinhamos melhorado muito nos games… e completou “também… de tanto me ver jogar”… olhei para meu amigo, que estava com o mesmo sorriso rasgando a cara feia… se ele soubesse… hehehe

Monster Magnet – Gods and Punks

Posted in Bizarrices Musicais with tags on 12/07/2010 by sellath

 

Arkona

Posted in Bizarrices Musicais with tags , , , on 12/06/2010 by sellath

Arkona é uma banda de “Folk Metal” ou sejá lá do que você queira chamar isso, vinda da  Russia (ahh a Russia =]) , mescla elementos de Black Metal com instrumentação tipicas do folclore eslavo, assim como as letras tratam dessa mitologia.

Destaque total para a Lorinha Masha “Scream” Archipova, que berramelhor do que muito marmanjo por aí… vale uma ouvida, daquelas bandas que é impossivel ouvir uma vez só!

Polemica? – Stefanie Heinzmann – The Unforgiven

Posted in Bizarrices Musicais with tags , , on 11/16/2010 by sellath

Stefanie Heinzmann fez essa versão de “The unforgiven” do Metallica. Não é um cover que agradará aos metalbangers, principalmente em se tratando de uma musica tão marcante de uma banda que foi uma das melhores que já existiram (e eu falo do Metallica no passado, pq o que eles fazem hj em dia NÃO me interessa, é uma banda morta.).
O que a nerdinha pop fez foi dar sua cara a musica, e eu gostei. Se vc gostou, ouça, se não, vá ouvir metallica. Não há motivos para notas de suicidio.

Taxidermia : Grotesco e lindo

Posted in Bizarrices Cinematograficas with tags on 11/15/2010 by sellath

Taxidermia. Um filme Hungaro de 2006. Quem viu me disse que era chocante e nojento. Um homem copula com uma porca morta, teu seu penis bicado por uma galinha. Dois gordos discutem amor enquanto vomitam e um homem, na cena de suicidio mais espetacularmente grotesca da historia do cinema, taxidermiza a si mesmo…

Sujo, grotesco, pervertido, brutal… mas um dos melhores filmes que já assisti.

Da Vitrola : PEETIE WHEATSTRAW – Gangster Blues

Posted in Vitrola with tags , , on 11/01/2010 by sellath

PEETIE WHEATSTRAW – Gangster Blues